23 de nov de 2014


Todos nós possuímos sonhos, as vezes nos encontramos em meio a diversidades e desistimos. Nós seres humanos temos uma tendência muito grande a desistir, talvez por medo de enfrentar os obstáculos ou abdicar de algo que desejamos muito. Transferimos a culpa dos nossos fracassos  para as pessoas que estão ao nosso redor e esquecemos de olhar para aquele que entregamos o nosso coração.

Filipenses 4.6-7

6- Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.
7- E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.



Meu irmão,  a oração é o caminho para o sucesso! Se pegarmos a palavra de Deus, podemos observar que os profetas, discípulos  e até mesmo Jesus nos momentos de dificuldade optaram por orar a Deus e pedir a sua direção.

Eliseu diante do exército Sírio, orou e pediu a Deus, "abre os olhos do moço" e o moço pode contemplar cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu. Jesus antes de ser levado para todo o processo de crucificação foi ao Getsemani e orou a Deus se entregando, para cumprir tudo o que estava determinado para que ele fizesse. Até mesmo na cruz Jesus Cristo orou ao pai e pediu para que Deus perdoasse a todos, porque não sabiam o que estavam fazendo. Sabe o que eu quero te dizer com estas palavras?  Não importa as suas dificuldades, seja elas: financeira, emocional, sentimental, conjugal e etc.. Deus está atento as suas orações,  mesmo que as vezes pareça que ele não está te ouvindo, ele trabalha no silêncio,  ele quer ouvir a sua dificuldade, ser seu amigo, compartilhar seus momentos bons e ruins.

Querido, creia no Senhor!! A sua força vem dele, faça dele a sua inspiração,  tente pensar o que Jesus faria na sua situação e ore ao Senhor pois ele estará pronto para responder. Mas esteja preparado para receber uma resposta positiva ou negativa, porque as vezes o Senhor não responde, porque não estamos maduros o suficiente para aceitar aquilo que Deus tem para nós.  Lembre-se que nós vivemos o presente, mas Deus vê o presente e o futuro. Entregue o seu futuro nas mãos de Deus e ore ao Senhor e a sua oração será capaz de mover montanhas.

A Paz do Senhor !!

João Paulo

Postado na domingo, novembro 23, 2014 Por João Paulo e Priscila

1 comentario

9 de out de 2014



O que temos feito para contribuir com a obra do Senhor? Você tem feito a diferença nesta Terra? Você tem sido exemplo para as pessoas que estão ao seu redor? Tem honrado o título de representante de Cristo? Hoje vamos falar da importância de ser exemplo, como servo de Deus na Terra.

João 9:4

4 Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.

O texto de João 9:4 traz o seguinte pensamento: "A NOITE vem quando NINGUÉM mais pode TRABALHAR". Jesus disse isso, porque Ele sabia que não tinha tempo para perder. Ele tinha uma tarefa muito importante para realizar, e conforme nosso Senhor fez.

Não é surpresa para ninguém que nós somos observados o tempo todo por Deus. Ele nos livra dos embaraços preparados por Satanás. Ele nos guia pelo caminho que devemos seguir. Não nos deixa seguir pelo caminho que leva a morte. O caminho do pecado que constantemente a nossa carne pecaminosa tenta nos conduzir.

Também sabemos que o inimigo anda ao redor como um leão, buscando a quem possa tragar (1.Pedro 5:8). Mas pela misericórdia de Deus, o anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra( Salmos 34:7).

Da mesma existem pessoas que estão ao nosso redor que estão esperando apenas um deslize,  para apontar os nossos erros. Mas não guarde ressentimento. Essas pessoas na maioria das vezes são usadas pelo inimigo para te fazer desistir e te envergonhar.

Tenha em mente que existe alguém que intercede por você a destra do pai. E nunca vai te abandonar e está sempre pronto para perdoar os seus pecados, mas quando você se arrepender de todo o seu coração. O que você está esperando para começar a trabalhar na obra do Senhor? Mãos à obra!

A paz do Senhor!

Postado na quinta-feira, outubro 09, 2014 Por João Paulo e Priscila

Nenhum comentario

23 de jul de 2014

Circula nas redes sociais uma imagem do jornal Jewish Telegraph com uma entrevista surpreendente. A manchete diz “O Deus deles altera a trajetória de nossos foguetes em pleno ar”.
Entre as centenas de compartilhamentos, muitos comentários mostram que existe ceticismo, afirmando que se trata de uma montagem e que o jornal sequer existe.
O site Gospel Prime investigou e apresenta a tradução dessa matéria do jornal Jewish Telegraph, que embora de pequena circulação, existe sim. Trata-se de um periódico judeu produzido no Reino Unido. Alguns sites americanos e israelenses reproduziram a matéria, o que deu uma dimensão maior ao caso. A frase destacada na manchete teria vindo de um terrorista, mas ele não é identificado.


Veja abaixo a primeira parte da matéria.

“O Deus deles altera a trajetória de nossos foguetes em pleno ar”.
Por Barbara Ordman (nascida em Manchester, mas que vive em Ma’ale Adumim, na Cisjordânia)
Em outubro de 1956, o primeiro-ministro David Ben Gurion foi entrevistado pela rede CBS. Ele declarou: “Em Israel, para ser realista, você precisa acreditar em milagres.” Mas o Talmud Yerushalmi diz que, de modo algum devemos depender de milagres. Ensina ainda que não devemos fugir de nossas responsabilidades e apenas esperar por intervenção milagrosa do Sobrenatural.
Um dos terroristas de Gaza foi questionado por que não conseguiam usar seus foguetes de forma mais eficaz. “Nós apontamos para os alvos, mas o Deus deles altera a trajetória de nossos foguetes em pleno ar”
Amém! E quando o nosso Deus não está ocupado fazendo isso, nos deu o poder de criarmos alta tecnologia, para que nossa avançada tecnologicamente criasse o sistema de defesa Domo de Ferro, que ajuda a proteger nosso povo e nossas cidades.”
A jornalista que escreveu o artigo passa a narrar como ela escapou de um ataque de foguetes vindos de Gaza num abrigo construído no subsolo da casa onde ela mora com a família.
Chama a atenção o fato de o site das forças armadas de Israel trazer a afirmação que os ataques por terra do Hamas estão sendo impedidos através de uma “sucessão de milagres” e que “graças aos céus” um grande atentado terrorista perto do Kibbutz Sufa não pode acontecer por causa da “graça dos céus”.
Em diversos sites evangélicos de língua inglesa está sendo divulgado um vídeo do pastor Larry Randolph, com uma profecia trazida por ele dia 13 de março, meses antes do início do conflito. O pastor conta que estava orando por Israel quando viu uma nuvem de poeira sobre a nação tomar a forma de um guerreiro que ele entendeu ser o rei Davi. E uma voz vinda dos céus dizia que estava pronta para lutar e a segurança de Israel não seria comprometida.

Assista:




Fonte: Gospel Prime

Postado na quarta-feira, julho 23, 2014 Por João Paulo e Priscila

Nenhum comentario

21 de jul de 2014





Quem sou eu?
Pra que o Deus de toda Terra
Se preocupe com meu nome
Se preocupe com minha dor
Quem sou eu?
Pra que a Estrela da manhã
Ilumine o caminho
Deste duro coração
Não apenas por quem sou
Mas porque Tu és fiel
Nem por tudo o que eu faça
Mas por tudo o que Tu és

Postado na segunda-feira, julho 21, 2014 Por João Paulo e Priscila

Nenhum comentario

12 de jul de 2014



Como os cristãos evangélicos devem se posicionar em relação ao conflito entre judeus e palestinos?

Há razões bíblicas para abordarmos ambos os lados com justiça pública compassiva, da mesma maneira como deveriam ser resolvidos os outros conflitos entre nações. Em outras palavras, a Bíblia não nos ensina a sermos parciais em relação a Israel ou aos palestinos porque qualquer deles tem um status divino especial. Não estou negando que Israel foi escolhido por Deus, dentre todos os povos do mundo, para ser o foco de bênção especial na história da redenção, que culminou em Jesus Cristo, o Messias. “O Senhor, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra” (Deuteronômio 7.6).

Também não estou negando que Deus prometeu, desde o tempo de Abraão, a Israel a terra que hoje é alvo de disputas. Ele disse a Moisés: “Esta é a terra que, sob juramento, prometi a Abraão, a Isaque e a Jacó, dizendo: à tua descendência a darei” (Deuteronômio 34.4).

No entanto, nenhum desses fatos bíblicos nos leva a apoiar Israel atual como o possuidor legítimo de toda a terra disputada. Israel talvez tenha esse direito, mas talvez não o tenha. Mas essa decisão não está fundamentada em privilégio divino. Por que não?

Em primeiro lugar, um povo que não cumpriu a aliança não tem um direito divino de possuir a terra santa. Tanto o estado de bem-aventurança como o direito privilegiado de possuir a terra estão condicionados a Israel guardar a aliança que Deus fez com esse povo. Deus havia dito a Israel: “Se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos” (Êxodo 19.5). Israel não tem qualquer garantia para experimentar no presente o privilégio divino, porque não está guardando a aliança com Deus.

Mais do que uma vez foi negado a Israel o seu direito divino à terra, quando rompeu sua aliança com Deus. Por exemplo, quando Israel desfalecia no cativeiro babilônico, Daniel orou: “Ah! Senhor!... temos pecado e cometido iniqüidades, procedemos perversamente... A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós, o corar de vergonha, como hoje se vê; aos homens de Judá, os moradores de Jerusalém, todo o Israel, quer os de perto, quer os de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas transgressões que cometeram contra ti” (Daniel 9.4-7; ver Salmos 78.54-61). Israel não tem qualquer direito de estar na terra da promessa, quando está quebrando a aliança da promessa.

Isso não signifca que outras nações têm o direito de molestar Israel, que ainda tem direitos humanos entre as nações, embora não tenha direito divino. As nações que exultaram com a disciplina divina sobre Israel foram punidas por Deus (Isaías 10.5-13).

Em segundo, Israel como um todo rejeita hoje o seu Messias, Jesus Cristo, o Filho de Deus. Este é o ato crucial do rompimento da aliança com Deus. Ele prometeu a Israel: “Um menino nos nasceu, um flho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 9.6-7). Mas, com lágrimas, esse Príncipe da Paz, olhou para Jerusalém e disse: “Ah! Se conheceras por ti mesma, ainda hoje, o que é devido à paz! Mas isto está agora oculto aos teus olhos... porque não reconheceste a oportunidade da tua visitação” (Lucas 19.42, 44).

Quando os construtores rejeitaram a maravilhosa Pedra Angular, Jesus declarou: “O reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos” (Mateus 21.43). Ele explicou: “Muitos virão do Oriente e do Ocidente e tomarão lugares à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no reino dos céus. Ao passo que os flhos do reino serão lançados para fora, nas trevas” (Mateus 8.11-12). Deus tem propósitos de salvação para Israel como nação (Romanos 11.25-26). Mas, agora, o povo está em inimizade para com Deus, ao rejeitar o evangelho de Jesus Cristo, o seu Messias (Romanos 11.28). Deus expandiu sua obra de salvação a fm de incluir todos os povos (dentre estes, os palestinos) que crerem no seu Filho e dependerem da morte e ressurreição dEle para a salvação. “É, porventura, Deus somente dos judeus? Não o é também dos gentios? Sim, também dos gentios, visto que Deus é um só, o qual justifcará, por fé, o circunciso e, mediante a fé, o incircunciso” (Romanos 3.29-30).

O apelo cristão no Oriente Médio, tanto aos judeus como aos palestinos, é: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (Atos 16.31). E até aquele Grande Dia, quando judeus e palestinos seguidores do Rei Jesus herdarão a Terra (e não apenas a terra), sem levantarem espada ou metralhadoras,os direitos das nações devem ser decididos por princípios de justiça pública e compassiva, e não por reivindicações de status ou direito divino.

Postado na sábado, julho 12, 2014 Por João Paulo e Priscila

Nenhum comentario